Histórias

13 de janeiro de 1962 – “The Twist”

Em 13 de janeiro de 1962, há 62 anos portanto, a canção “The Twist” voltou ao topo da “Billboard Hot 100”, pouco mais de dois anos após liderar a Parada.

Segundo o ex-DJ Brett Pasternack (em uma postagem no Quora), quando “The Twist” perdeu o posto para Connie Francis e sua “My Heart Has A Mind Of Its Own”, começou a descer nas paradas como a maioria dos sucessos. No ano seguinte, porém, a dança chamada Twist pegou entre os adultos, que em sua maioria tendiam a desdenhar o rock and roll.

“A alta sociedade foi envolvida pela mania e a música ganhou uma nova vida”. Resultado: Em janeiro de 1962, “The Twist” alcançou novamente o primeiro lugar, por duas semanas.

Foi a primeira vez na história da publicação da famosa lista semanal que uma canção ocupou o nº 01 em datas distintas. Mais que isso: ela é a única canção não natalina a sair completamente do Hot 100 e subir ao topo novamente.

Referências ao “Twist”, em duplo sentido, como dança e como ato sexual, remontam a músicas lançadas ainda no século XIX, mas esta, talvez a mais famosa, é uma composição (ou um reaproveitamento de antigos temas) de autoria de Hank Ballard, lançada em 1959, como um lado B, sem sucesso algum.

A versão de Chubby, lançada em LP em outubro de 1960, por outro lado, virou sua “canção-assinatura” e tornou-se um clássico atemporal. Aos 19 anos de idade, o cantor exalava um carisma absurdo, além de ser dono de uma bela voz: forte, afinada, aveludada e versátil.

Checker regravou a música várias vezes, nos anos 70, 80 e 90, confundindo até mesmo fãs e organizadores de compilações. Há uma versão country e ainda uma releitura com os rappers do Fat Boys, datada de 1988, que alcançou o 2º lugar no Reino Unido e o 16º nos EUA, chegando a ser tocada em um concerto tributo à Nelson Mandela.

Aos 82 anos, completados em outubro de 2023, Ernest Evans, seu nome verdadeiro, é um dos últimos artistas vivos da chamada “primeira fase do rock”. Casou-se com uma Miss Mundo de origem holandesa, ainda nos anos 60, teve filhos e ainda concede entrevistas onde conta que sua mãe teve um sonho no qual ele gravava uma canção que atingia o mundo inteiro.

“Quando me pediram para gravar ‘The Twist’, eu só pensava no que minha mãe havia dito. Foi a única sensação que eu tive enquanto estava gravando”.

Cerca de quatro takes e quarenta e cinco minutos depois, há quem diga que sismógrafos mais sensíveis podem ter capturado o tremor.

(Foto extraída da conta oficial de Chubby Checker no Facebook)

Cristian Fetter

Cristian Fetter Mold é gaúcho mas mora em Brasília desde 1991. É advogado e professor na área de Direito de Família e Sucessões. Coleciona música em mídia física, desde os 12 anos de idade, especialmente Rock dos anos 50 a 90 e, em menor escala, Jazz dos anos 40 aos 70. É um dos criadores do Podcast "Prisioneiros do Rock" e às vezes se mete a formar bandas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *