Discos

Mezzanine, 25 anos

Massive Attack é um grupo de trip hop inglês formado em 1988, em Bristol, por Robert ‘3D’ Del Naja, Adrian ‘Trady’ Thaws, Andrew ‘Mushroom’ Vowles e Grant ‘Daddy G’ Marshall.

Seu álbum de estréia, Blue Lines de 1991, teve o single Unfinished Sympathy sendo considerado como a 63ª maior música de todos os tempos em uma enquete da revista New Musical Express.

Mas aqui vou falar sobre o terceiro álbum da banda, que figura entre os 500 melhores álbuns de todos os tempos, de acordo com a revista Rolling Stone.

Mezzanine foi lançado em 20 de abril de 1998 pela Circa/Virgin Records, e que contou com 4 ótimos singles que foram muito bem nas paradas do Reino Unido: Risingson, Teardrop, Angel e Inertia Creeps.

Mas a proposta de 3D de misturar reggae e post-punk, trazendo guitarras e bateria acústica ao som da banda acabou gerando problemas, discordâncias e culminando com a saída de Mushroom da banda logo após o lançamento do álbum.

O primeiro single, Risingson, foi a combinação perfeita entre o álbum anterior e a nova proposta de Mezzanine, com uma ótima linha de baixo e batida, se unindo com um sample do The Velvet Underground (lista de samples no final do texto) soterrado por uma tonelada de reverb.

Teardrop, também conhecida como a música de abertura da série House, foi um momento atípico em tudo que a banda já havia feito, de uma beleza incrível, que conta com a voz maravilhosa de Elizabeth Fraser, da banda Cocteau Twins, que também participa de outras duas músicas, Black Milk e Group Four. Ela disse em uma entrevista que o vocal nesta música foi inspirado em seu amigo Jeff Buckley, que faleceu durante as gravações de Mezzanine.

Teardrop já teve versões feitas por vários artistas, de Jose Gonzales à banda Elbow, se tornando um clássico do grupo, sendo impulsionado pelo inesquecível vídeo. A tensão entre Mushroom e os outros membros do grupo teve um capítulo nesta música, pois ele queria de qualquer forma oferecer a música para Madonna, mas não teve apoio de nenhum outro integrante.

Angel foi uma junção improvável de estilos e um dos momentos mais rock and roll da banda, com guitarras bem presentes, criando uma tensão crescente que cativa o ouvinte. Mas entre essa tensão, eles trazem a belíssima voz da lenda do reggae Horace Andy, fazendo um contraponto de ternura com o peso do instrumental. Ele também participa de Man Next Door, uma versão para a música de John Holt.

Inertia Creeps foi inspirada por uma viagem de 3D à Istanbul e Grécia, incluindo dança do ventre na sua composição, junto com guitarras, um riff de teclado sensacional e um tamborim marcante que faz toda a diferença na música.

Mezzanine firmou um lugar para o Massive Attack na história da música, chegando ao #1 na parada do Reino Unido, chegando a #60 nos Estados Unidos, com vendas de mais de 2 milhões de cópias no mundo, e ainda sendo a base para seus shows até hoje. Ainda é citado como influência por vários artistas, de Morcheeba a The Weekend, e tendo versões de suas músicas gravadas por Sepultura, Simple Minds e Lizzard (ótima banda francesa), entre outros.

Segue abaixo uma lista de samples usados em Mezzanine, quase sempre com reverbs e rotação alterada, sendo um bom exercício para descobrir nas audições.

Em Angel: You Are My Angel, de Horace Andy (1973) Last Bongo In Belgium, da Incredible Bongo Band (1973)

Em Risingson: Where Have All The Flowers Gone?, de Pete Seeger (1960) Dennis The Menace, de Dennis Pinnock (1978) I Found A Reason, do The Velvet Underground (1970)

Em Teardrop: Sometimes I Cry, de Les McCan (1973)

Em Inertia Creeps: Rockwrok, da banda Ultravox (1977)

Em Exchange: Our Day Will Come, de Isaac Hayes (1970) Summer In The City, de Quincy Jones (1973)

Em Man Next Door: When The Levee Breakes, do Led Zeppelin (1971) 10:15 Saturday Night, do The Cure (1978)

Em Black Milk: Get Out Of My Life Women, do Iron Butterfly (1968) Tribute, da Manfred Mann’s Earth Band (1972)

Em Mezzanine: Heavy Soul Singer, classico absoluto do Bernard Purdie (1972)

Em Group Four: Up The Khyber, do Pink Floyd

Mezannine é uma experiência sonora maravilhosa, que traz uma gama de combinações de estilos impressionante e sempre acaba com a vontade de recomeçar tudo novamente. Se você não conhece este álbum, recomendo dar uma chance a ele.

Pedro Miguel Jr

Pedro Miguel Jr. é colecionador de discos e apaixonado por música e os seus mais variados estilos.

One thought on “Mezzanine, 25 anos

  • Julio Cesar Mauro

    Conheci esse disco por causa do House, quando fui atrás da música de abertura da série. Discaço!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *