Discos

18/5/83 – Bob Dylan termina de gravar “Infidels”

Há 40 anos, neste 18 de maio, Bob Dylan terminava de gravar o álbum “Infidels”, seu 22º disco de estúdio, o qual seria lançado somente em fins de outubro.

Após uma trilogia irregular de discos evangélicos (“Slow Train Coming”, “Saved” e “Shot of Love”), Dylan voltava a fazer “música secular”, tendo como produtor Mark Knopfler, líder dos Dire Straits.

Abandonando dezenas e dezenas de faixas no processo de gravação, lançadas depois como outtakes, e sem deixar os temas religiosos totalmente de lado, a lista final do LP, com oito músicas, traz um ótimo trabalho do veterano bardo, atraindo uma nova geração de ouvintes e agradando os velhos fãs que não estavam a entender o que vinha acontecendo com Bob nos últimos anos.

Além do mais o cantor contou com um invejável time de músicos de apoio, dentre os quais, além de Knopfler, a dupla Sly and Robbie, Mick Taylor (ex-guitarrista dos Stones) e Benmont Tench (tecladista dos Heartbreakers, banda de apoio do pupilo Tom Petty).

O disco abre com a excelente “Jokerman”, segue com uma bela balada (“Sweetheart Like You”), engrena com um rockão (“Neighborhood Bully”) e fecha o primeiro lado com uma reflexão em slow tempo aparentemente sobre a relação do homem com o meio ambiente.

O lado B abre com o contagiante blues “Man of Peace”, com Bob cantando um bocado. O disco segue embalado e ácido com “Union Sundown” e suas críticas ao sistema de trabalho offshore – “Todos os móveis dizem “Made in Brazil”, onde uma mulher trabalhava como escrava, trazendo trinta centavos por dia para uma família de doze… e um homem vai fazer o que tem que fazer, quando tem uma boca faminta para alimentar”.

Em “I and I”, Dylan tira o pé do acelerador e entrega uma letra hermética, de difícil interpretação. Chama a atenção a participação da guitarra inconfundível de Knopfler. O disco termina leve, com uma dylanesca canção de amor. “Don’t Fall Apart on Me Tonight”.

Segundo o site bestsellingalbums.org, as quase 700 mil cópias vendidas colocam “Infidels” entre os 15 discos de estúdio mais vendidos da longa carreira de Dylan. Uma posição justa, um álbum que vale a pena ser conhecido.

Cristian Fetter

Cristian Fetter Mold é gaúcho mas mora em Brasília desde 1991. É advogado e professor na área de Direito de Família e Sucessões. Coleciona música em mídia física, desde os 12 anos de idade, especialmente Rock dos anos 50 a 90 e, em menor escala, Jazz dos anos 40 aos 70. É um dos criadores do Podcast "Prisioneiros do Rock" e às vezes se mete a formar bandas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *