Discos

60 anos de With the Beatles: o álbum que manteve o quarteto de Liverpool na boca do povo

Há exatamente 60 anos, era lançado o segundo álbum de estúdio dos Beatles, o With The Beatles. Se as pessoas na época achavam que o rock ia ser uma moda rápida, na verdade, o fanatismo pelo gênero só aumentava. E, naturalmente, os Beatles cresciam juntos.

Mesmo em meio a turnês, viagens, programas de televisão, eles tinham essa capacidade mágica de se reunirem no estúdio e fazerem o melhor que podiam, mesmo com pouco tempo. Dessa vez, um pouco mais de prazo que o insano Please Please Me, gravado em horas.

Em 1963, com certeza, as pessoas mal sabiam o que o Fab Four viria a se tornar, mas a beatlemania estava começando a dar os seus primeiros passos, e o grupo fortaleceu mais ainda sua identidade com esse disco bem feito, com 8 canções autorais, a primeira do George Harrison. Os Beatles estavam se tornando Os Beatles!

Eu, particularmente, acho esse disco uma pérola. Durante muitos anos, ele ficou entrando e saindo do meu Top 3 de melhores discos do Beatles, revezando com o A Hard Day’s Night. As duas primeiras músicas, It Won’t Belong e All I’ve Got To Do, para mim, pegam você de jeito para não querer mais largar esse disco de jeito nenhum. As brincadeiras com os backing, a força de John nos vocais. Pura delicinha!

All My Loving entraria para eternidade, música que abriu muitos shows do quarteto e que ainda faz parte do setlist do Paul McCartney. Don’t Bother é a primeira composição do George, fofa, honesta e mal-humorada, a cara dele (risos). Little Child não é uma das obras-primas da dupla Lennon/McCartney, mas não atrapalha o andamento do disco que segue com Till There Was You, que alguns acham brega, mas eu adoro. O Lado A encerra com um incrível cover de Please, Mr Postman! Que momento, lembranças de Hamburgo, que seguem com a primeira do Lado B, Roll Over Bethoveen.

Hold Me Tight é mais uma das que não atrapalha o andamento, que alguns esquecem, mas eu me divirto. Adoro os vocais dela. Mas em seguida vem, para mim, uma das melhores regravações que os Beatles fizeram, You Really Got Hold on Me. Um deleite! Ringo tem sua participação com I Wanna Be Your Man, outra que virou um clássico eterno, super divertida. E bem melhor que a versão feita pelas Stones, desculpem-me. Depois, temos Devil in Her Heart, um cover, e uma original, Not Second Time, que também podem não ter virado os maiores sucessos, mas complementam muito bem o disco todo. E o encerramento fica por conta de Money, uma grande música para fechar um grande disco de rock dos anos 1960.

Eu não sei vocês, mas meu carinho por esse disco é gigante. Não enjoo, não canso nem um pouco, foi um dos primeiros que comprei e segue no meu coração eternamente, batendo o Please Please Me pra mim na listinha dos favoritos.

Parabéns pelos 60 anos do With the Beatles!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *