Histórias

Bob Rock: produtor que vendeu milhões de álbuns com o Metallica, Mötley Crüe e outros

O que bandas como: The Cult, Mötley Crüe, David Lee Roth, Metallica, Bon Jovi, Skid Row e Bryan Adams tem em comum?

Todos elas venderam milhões de cópias, alcançaram primeiras posições nas paradas de sucesso e tiveram o dedo, a mão, a inteligência e ouvidos habilidosos de um dos maiores produtores de todos os tempos, Estou falando de BOB Rock! e sobre a sua história desde os primórdios até o topo como produtor musical que vamos falar no vídeo de hoje.

Não é novidade para ninguém que a vida de Bob Rock começou a mudar após Lars Ulrich do Metallica ter ouvido Dr. FeelGood e ter se encantado com o som de bateria do disco do Motley Crue.

Mas a verdade é que Bob Rock já tinha uma extensa ficha de produção e engenharia de som nas costas desde 1979.

Nascido em Winnipeg Canadá  em 19 de abril de 1954 sob a alcunha de Robert Jens Rock começou sua carreira na música como guitarrista e fundador da banda Payolas baseada em Vancouver canada.

O som da banda era calcada no New Wave e pop, movimento que estava em alta nos 80 e o núcleo da banda era formado por Bob Rock e letrista e vocalista Paul Hyde.

A banda passou por diversas mudanças de nomes como Paul Hyde and the Payolas e Rock and Hyde e infelismente  acabou em 1988.

A banda até ensaiou uma volta entre os anos de 2008 e 2009.

Sua faixa mais conhecida foi Eyes of Stranger de 1982, um New Wave com pitadas de The Police, alcançou 4° posição no chart canadense, 81 na Austrália e 22° no chart US Rock.

Na mesma época em que monta o Payolas, ele foi contratado como engenheiro assistente no Little Mountain Sound Studios, em Vancouver, e assim começa sua carreira como um dos mais renomados e requisitados profissionais dentro do estúdio.

Em 1979, em seus primeiros trabalhos Bob Rock participou do primeiro disco autointitulado do Survivor, aquele mesmo grupo que veio a estourar mundialmente na trilha sonora de Rock 3 com Eyes of Tiger.  

É! parece que o destino começa desde cedo a soprar para o seu lado.

Entre os trabalhos como engenheiro assistente e mixagem foi em 86 que bob começa a ter um pouco mais de conhecimento pois nesse ano é lançado Slippery When Wet, terceiro disco de bon jovi na qual ele gravou e mixou a bolacha.

Quem aí não lembra do clássico Livin’ on a Prayer?

No ano seguinte foi a vez dele participar como engenheiro de som do disco Permanent Vacation, do AeroSmith. Um divisor de águas da banda saindo da fase afundada em drogas para fase mais livre delas.

Em 88 mais um disco do Bon Jovi para o currículo como engenheiro de som, desta vez New Jersey.

Uma curiosidade aqui é que a balada I’ll Be There For You foi trilha sonora da Novela Salvador da Pátria aqui no país e tocou muito na época.

A era produtor

Seu excelente trabalho como engenheiro de som no Little Mountain Sound Studios em Vancouver fez com que o ano de 1989 ficasse marcado em sua carreira como produtor para sempre.

Apesar de já ter produzido outros álbuns e artistas sem muita expressão na cena musical mundial, o lançamento de Sonic Temple da banda britânica The Cult deu credibilidade ao seu trabalho como produtor.

Esse é o quarto álbum dos ingleses e alcançou disco de platina nos Estado Unidos vendendo mais de 1 milhão de cópias Segundo a RIAA. Alcançou 3° colocação de álbum nas paradas britânicas e top 10 na Billboard 200.

Porém, o ano não havia acabado e como comentei, 1989 foi o ano divisor de águas para a carreira como produtor de Bob Rock. 

E, em primeiro de setembro de 1989 sai o quinto álbum da banda de glam metal Motley Crue, Dr. Feelgood.

O disco foi tão, mas tão bem sucedido que de cara pegou o Top1 da Billboard200 vendendo mais de 6 milhões de cópias só nos Estados Unidos.No reino unido atingiu a certificação de ouro e se tornou o álbum mais bem sucedido da banda.

Porém para chegar a esse nível, Bob Rock era exigente, 

Na biografia da banda que virou série do netflix, The Dirt”, Nikki Sixx relembrou:

“Nada era bom o bastante (para Bob). Mick gravou todas as guitarras de ‘Shout at the Devil’ (1983) em duas semanas, mas agora Bob Rock o fazia gastar duas semanas dobrando uma única linha de guitarra repetidas vezes até que estivesse em perfeita sincronia. Embora o processo irritasse e frustrasse Mick, foi muito mais fácil para ele do que para Vince, que, em alguns dias, só saía com uma única palavra gravada que fosse do agrado de Bob.”

Metallica Era e o estrelado do Black Album

Apesar dos fãs mais antigos terem torcido o nariz para o Black Album do Metallica, a verdade é que com este disco eles chegaram ao topo e nunca mais conseguiram repetir o sucesso de vendas.

Somente nos Estado unidos o álbum vendeu 16milhões e quarenta mil cópias, no mundo todo foram mais de 40 milhões. Além disso, ganhou inúmeros premios como Grammy de melhor performance de Heavy meta em 1992.

Está em 14° lugar na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock And Roll of fame.

Mas nem tudo foi flores…

Foi um disco difícil de se fazer, Bob Rock muito exigente acabou apelidando James Hetfiled de Dr. Não, pois o frontman da banda dizia não para qualquer ideia sugerida no estúdio.

E nesse clima o disco demorou 8 meses para ser gravado gerando muitas tensões no estúdio.

Em recente entrevista a Metal Hammer, Bob Rock declarou sobre o início dos trabalho do Black Album.

“Bem, sempre há um período de aquecimento em cada projeto e, esse, só demorou um pouco mais com eles! Eles tinham uma maneira de fazer as coisas, e eles realmente não confiavam em estranhos: não apenas em mim, eles suspeitavam de todo mundo. Posso dizer que nunca me envolvi com pessoas tão intensas quanto eles. Mas as tensões surgiram quando eu os desafiei ou eles me desafiaram, nunca foi pessoal.”

Essas e outras tretas das gravações podem ser vistas no documentários A Year and a Half in the Life of Metallica e Classic Albums: The Black Album.

Apesar da dificuldade, Bob Rock conseguiu tirar o melhor de Hetfield em músicas como Nothing Else Matters.

E declarou para metal hammer:

Quando fizemos o álbum preto , James e eu conversamos muito sobre letristas, e eu disse a ele que suas letras estão lá em cima com qualquer um… Bob Dylan, John Lennon, Leonard Cohen, quem quer que seja. Eu apenas o encorajei a abraçar isso, para continuar a ser melhor.”

Essa e outras atitudes de Bob Rock qualificaram ele para continuar o trabalho de produção com o Metallica por 15 anos e seu trabalho nos álbuns Load, Reload, S&M, Garage Inc e no famigerado St Anger

E a lista de artistas de Bob Rock não para por aí foram diversos outros artistas que tiveram seus trabalhos e carreiras tocados por seu talento na produção de seus álbuns. Produziu também, The Offspring, 311, Bush, Skidrow, Cheer, David Lee Roth, enfim, uma pá de artistas. Mas o que realmente o fez estourar como produtor foi seu trabalho com o Metallica no disco Black Album. 

Marcelo Scherer

Jornalista, fundador do Disconecta, do Canal Disconecta no Youtube e colaborador do coletivo Vira o Disco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *