Discos

Conheça a CINE CAOS

Era uma lojinha de discos no Largo da Ordem, em Curitiba. O lugar estava caótico. Entre discos do Eurythmics e Simple Minds, vi uma fileira desorganizada de vinis jogados no chão. Ajoelhei-me e comecei a procurar algo interessante. “Olha, não sabia que John Ulhoa tinha lançado um disco solo!”, murmurei. Em seguida, peguei um disco de vinil de uma banda dos anos 80 desconhecida. “Quem são eles?”, perguntei ao vendedor. “Essa banda é Cine Caos”, disse ele de forma lacônica. “Eles lançaram outros dois discos, mas o que você tem em mãos é o melhor”. Acordei e, enquanto abria os olhos, tentava capturar algum fragmento do sonho que se dissipava rapidamente… “Cine o quê?”

Quase um ano se passou até a gravação do nosso primeiro disco que, talvez, não seja tão grandioso quanto o daquela lojinha, já que AQUELA era a verdadeira Cine Caos. Mas existe alguma forma de falar sobre sentimentos verdadeiros, desilusões e amores perdidos ou até mesmo sobre a angústia de testemunhas o último pôr do sol neste planeta sem cair em clichês? E além disso, como ser original em um mundo dominado pela I.A.? “Sonhos nos vê, sonhos nos vão, e o resto é imperfeito…”, diria um dos maiores poetas deste país. Bem, talvez a resposta esteja justamente ai:

Sentimentos imperfeitos, e o que torna a Cine Caos especial são justamente esses defeitos e imperfeições.

– Tayrone Matiello


A Cine Caos é a junção de quatro amigos com vasta experiência nas noites roqueiras de Pato Branco/PR e região. Alisson Marcos, o vocalista, já foi baixista/vocalista de uma banda chamada Tubo de Ensaio. Tom de Bortolli, o baixista, já fez parte das bandas Eu e + 2 e Madonna Bége, duas grandes bandas aqui da cidade, assim como Tayrone Matiello que fez este texto sobre a banda e, além da Eu e + 2, fez parte de uma banda chamada Tango ou Mambo, um power trio que tocava sem baixista e cuja principal influência foi a White Stripes. E sem contar com Andy Marcon, que já passou pela Miguelitos, Otavio Keulbeck entre outras.

Os quatro agora estão com este projeto lindo chamado CINE CAOS, cuja influência é nítida nos 2 singles já lançados. Há uma verve de BRock oitentista muito clara, assim como leves pitadas de pós-punk.

O disco está em fase final de produção e logo estará nas principais plataformas de streaming. Enquanto ele não chega, ouça abaixo e os siga na redes sociais.

Viva o rock nacional.

Luis Fernando Brod

Oi. Sou o cara do MINHA VIDA EM VINIL e colaborador do site Disconecta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *