Discos

Innervisions, o suprassumo de Stevie Wonder

Há 50 anos era lançado Innervisions, um dos discos mais emblemáticos da carreira de Stevie Wonder. Embalado pelos suscessos, Too High, Visions, Living for the City e Higher Ground alcançou o quarto lugar na parada Billboard Pop Albuns e primeiro lugar no Billboard Black Albuns Chart. Este álbum ainda conquistou 02 prêmios Grammy e está na posição nº 24 da lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da Rolling Stone.

De acordo com a Pitchfork, em 1972 Stevie Wonder estava muito abalado. Seu casamento com sua parceira musical e de vida, Syreeta Wright havia chegado ao fim e foi o ano em que ele abriu para os Rolling Stones, na debochada tour Exile on Main Street, onde ele lembra os episódios de drogas pesadas, atentados e prisões. Nesta época ele andava obcecado com a morte.

Os anos 70 foram anos inovadores, foi a década dos sintetizadores, que vieram na cola do Moog da década anterior. Rick Wakeman no Yes, Todd Rundgreen, Roxy Music, The Who, todos estavam se aventurando nesta nova onda. Wonder não ficou de fora, e Innervisions é a prova disso. Aliás, os anos 70 foram especiais para Wonder, onde ele lança cinco discos que estão no alto de qualquer prateleira que se preze: Music of My Mind, Talking Book, Innervisions, Fulfillingness First Finale e Songs in the Key of Life. Se eu puder me arriscar aqui, seria a perfeita definição de obra-prima.

Em Innervisions Wonder teve liberdade total para compor, arranjar e experimentar como bem entendesse. Ele gravou praticamente o disco sozinho. Foi um momento de experimentação total. Aqui, além de muito groovy e funk, você vai ouvir uma mistura de estilos entre rock, soul, latino, R&B, reggae e gospel, que deixa o disco ainda mais impressionante.

Em 1989 o Red Hot Chili Peppers fez uma versão para Higher Ground lançada no disco Mother’s Milk, que foi lançada como primeiro single de divulgação do álbum. A música faz parte do repertório da banda até hoje e já fez parte de trilhas sonoras de filmes e séries como Power Rangers, Beavis and Butt-Head, Um Maluco no Pedaço, Karate Kid entre outros.

Elton John resumiu Stevie desta forma: “Junto com Ray Charles, ele é o maior cantor de R&B que já existiu.” Quem sou eu para discordar.

Luis Fernando Brod

Oi. Sou o cara do MINHA VIDA EM VINIL e colaborador do site Disconecta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *