Filmes e Séries

O The Flash é o pior filme do universo DC?

E finalmente eu assisti o filme The Flash, lançado agora em 2023. Antes de mais nada, eu preciso te contar duas coisas: a primeira é que vai ter spoilers. Então, se você ainda não assistiu o filme e não quiser ser pego de surpresa, sugiro que pare por aqui. A segunda é que eu fui um grande consumidor de quadrinhos no passado (uma hora eu ainda vou fazer um vídeo pra contar sobre isto e mostrar o que eu tenho guardado). E, em todo o tempo que eu lia, os quadrinhos da DC sempre foram os meus preferidos por dois motivos: o Batman e o The Flash.

Batman dispensa apresentações, mas o Barry Allen sempre achei um personagem badass total, chutador de bundas, o cara (pra mim) estava no nível de um Superman, eu sempre curti ele. E ele é um dos heróis mais importantes dentro do universo DC. Mas o que eu vi com este filme, foi uma total sacanagem com o personagem. Tudo ali é ruim: roteiro, diálogos, a história em si, a viagem no tempo, os atores (o Ezra Miller está pavoroso), sem contar essa onda de deixar os atores mais “engraçadinhos”. Peraí né, estamos falando do The Flash cara, o cara que viu sua mãe ser assassinada por um velocista e seu pai ser preso por acidente e que, enquanto trabalhava na polícia científica, foi atingido por um raio e foi capaz de acessar e canalizar o poder vindo da “Força de Aceleração” sendo, a partir desse momento, capaz de correr em uma velocidade fantástica.

Créditos: DC/Reprodução

Isso até que foi mostrado no filme mas poxa, eu esperava muito mais. Gente, é sério! O CGI desse filme é horroroso, os bebês são pavorosos, tudo ali parece que foi feito às pressas. Eu realmente esperava muito, mas muito mais dessa história. Aliás, o filme foi baseado na HQ “Flashpoint“, lançado em 2011 e foi sucesso absoluto. Mas o que vimos nas telas é algo que nunca vou conseguir “desver”.

Nem a trilha sonora se salva. E olha que na primeira cena abre com “Bad Fun” do The Cult e, ao longo do filme ainda tem Supergrass (Alright), Chicago (25 or 6 to 4 e If You Leave Me Now), The Racounters (Salute Your Solution), Ok Go (This Too Shall Pass) e até Jerry Lee Lewis (Great Balls of Fire). Não se salva, parece que ela (a trilha) não tem coerência com o filme. (N.doE.: a cena pós-crédito não é ruim, é algo que não consigo explicar).

Pra não dizer que não gostei de tudo, o que gostei no filme foram as homenagens. Impossível não se emocionar vendo o Cristopher Reeve como o eterno Superman. Uma pena, ele tinha tudo pra ser um grande filme de super-herói e acabou sendo um dos filmes mais floopados do ano.

Créditos da imagem: DC/Divulgação

Luis Fernando Brod

Oi. Sou o cara do MINHA VIDA EM VINIL e colaborador do site Disconecta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *