Filmes e Séries

Review do filme AIR

A história de como o ex-executivo da Nike teve sucesso em contratar o (até então) “não tão conhecido assim” Michael Jordan todo mundo (ou quase) já deve saber. Resumindo em poucas palavras, Jordan se tornou um superastro e sem dúvida o maior jogador de basquete da história do esporte. E o Air Jordan, tênis que dá título ao longa, tornou-se o tênis mais conhecido de todos os tempos. Aqui cabe um dado interessante: A marca AIR JORDAN rende US$ 4 bilhões em vendas anuais. E, no primeiro ano, as vendas dos tênis atingiram a marca de US$ 162 milhões.

Até ai, nada de novo certo? Mas como é que você conta uma história da qual já sabemos o resultado? Foi ai que entrou o tino de Ben Affleck. Em seu quinto longa como diretor, ele faz o tipo de filme sólido com orçamento médio e para um público direcionado. Affleck conta com artistas veteranos em seu casting. E a escolha de seu diretor de fotografia não poderia ser diferente. Trata-se de Robert Richardison, colaborador de longa data de Martin Scorsese e Quentin Tarantino.

Aqui, tudo faz parte de um pacote de diversão completa e Affleck conta a história de como a Nike conquistou Jordan ao criar o tênis que não era apenas para ele, mas PARA ele. E essa representação nos foi apresentada de uma forma que nos faz sentir como se nós também pudéssemos alcançar tais alturas. Se você é daqueles que se encanta com filmes sobre processo, sobre pessoas que são boas em seus trabalho, então tenha certeza de que você está no filme certo.

O filme se passa em 1984, então a fotografia e caracterização foi muito bem pensada. É engraçado ver Matt Damons barrigudo e Ben Affleck com um cabelo de permanentes, usando terno e um tênis da Nike. Tudo ali parece ter sido pensado em mínimos detalhes. Você precisa prestar atenção em tudo ao seu redor para não perder nenhuma referência. E não são poucas. O começo do filme abre com Money for Nothing onde passam várias imagens do ano, muito legal de ser. Durante o filme vemos o embate entre Converse, Adidas e Nike e em como as três grandes do mundo dos tênis brigavam por aquele que vira a se tornar o maior jogador de todos os tempos.

Sonny Vaccaro foi um olheiro da liga universitária que bateu o pé na contratação de Jordan pela Nike. Até então, todos duvidam de seu olhar clínico, mas no final, você pode ter uma surpresa. Nesse aspecto, “Air” é uma história de azarão atemporal de coragem, sonhos e coragem. Com esse espírito, Vaccaro entrega um monólogo matador em um momento crucial na esperança de selar o acordo com Jordan (a quem Affleck astutamente nunca nos mostra totalmente – ele continua sendo uma ideia evasiva, como deveria ser, mas um pouco inebriante revela o legado que deixará com o tempo). Ainda assim, Affleck enfatiza o fato de que estamos em meados da década de 1980. Às vezes, a evocação desse período vem de maneiras sutis e divertidas.

Um filme divertido, que conta uma história bem bacana e com um trilha sonora imbatível. Está disponível na Amazon Prime. E você pode se deliciar com a trilha, que está linkada logo abaixo.

#minhavidaemvinil

Luis Fernando Brod

Oi. Sou o cara do MINHA VIDA EM VINIL e colaborador do site Disconecta.

2 thoughts on “Review do filme AIR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *