Discos

SATURDAY MORNING: CARTOON’S GREATEST HITS

Uma das gravações mais interessantes e divertidas dos Ramones é a versão acelerada da música tema do desenho animado “Spider Man”. E se você é fã de Ramones, sabe que nenhum disco de estúdio da banda tem essa gravação.

         Preparado para encarar um certo gasto? a música aparece no lançamento de Agosto de 2005 – “Weird Tales Of The Ramones” – um super box com 3 cd´s e um DVD, contendo 85 músicas e uma série de curiosidades, como entrevistas e videoclips, além de uma história em quadrinhos, um par de óculos 3D e um cartão postal personalizado. As faixas foram compiladas pelo guitarrista Johnny Ramone pouco antes da sua morte, em setembro de 2004.

         Na Amazon americana a caixinha, com uma bela capa que parodia uma série de histórias em quadrinhos de terror dos anos 20 e 30, sai a pouco mais de 60 dólares, usada, e cerca de 150 dólares se for nova. Em rápida pesquisa no Mercado Livre, não se encontram opções a menos de 1000 reais.

         Uma outra possibilidade, bem mais em conta, é correr atrás do excelente CD “Saturday Morning: Cartoon’s Greatest Hits”.

         Lançado em 1995 e produzido por Ralph Salli, cujo currículo inclui trabalhos com Cheap Trick, Aerosmith, Stone Temple Pilots e até Paul McCartney, o disco é uma delícia ser ouvido e traz 19 “releituras” de músicas que embalaram desenhos animados dos anos 60 e 70, cujos detalhes se encontram no encarte.

         Alguns desenhos passaram aqui no Brasil, tais como Scooby Doo, Josie e as Gatinhas, Speed Racer, Jetsons, Flintstones e Popeye. Outros são ilustres desconhecidos, o que não atrapalha em nada o resultado final.

         As bandas, por sua vez, dividem-se em três categorias, (a) veteranos da cena alternativa, (b) grupos que estavam tendo certa visibilidade na época, e (c) ilustres desconhecidos, ou chamemos de bandas relativamente novas, mas que não chegaram a tocar muito por aqui, ou eu pelo menos não cheguei a escutá-las, sendo que muitas de fato não conheço até hoje.

         No primeiro grupo, temos por exemplo, os já citados Ramones e a excelente “Spider Man”, os Butthole Surfers tocando o tema do seriado “Underdog”, lançado no Brasil como “O Vira Lata” e os Violent Femmes com a impagável “Eep Opp Ork Ah Ah”, extraída de um episódio dos Jetsons.

         Bom citar também o grupo The Reverend Horton Heat, que já contava com dez anos de atividade e que faz o único mash up do disco, juntando, acredite, as músicas “Johnny Quest” e “Stop That Pigeon”, este último o tema do desenho “Dick Vigarista, Muttley e suas Máquinas Voadoras”. Quem cresceu nos anos 70 e 80 vai se lembrar disso tudo.   

         Na categoria “grupos que estavam em evidência na época”, podemos citar o Collective Soul reinventando a abertura do desenho “Bugaloos”, que passou no Brasil entre 1970 e 1971; também os australianos do Frente, que haviam feito um enorme sucesso em 1994 com sua versão acústica de “Bizarre Love Triangle”, do New Order, aparecendo com uma não menos bucólica “Let The Sunshine In”, música que aparece em um episódio dos Flintstones.

         Destaque para o grupo de metal alternativo Helmet, tocando o tema do desenho “Gigantor”, mangá japonês depois adaptado para a TV norteamericana. Aqui temos provavelmente o momento mais pesado do disco.

         Por fim, nessa categoria, não podemos deixar de fora a banda californiana de ska punk Sublime, até hoje lembrada pelos hits “Santeria” e “What I Got”, cujo vocalista Brad Nowell faleceu cerca de um ano após, com apenas 28 anos. Eles se apropriam do tema do divertidíssimo desenho “Hong Kong Fu” e criam uma música nova excelente, um dos exemplos de tema que parece cair como uma luva para o grupo escolhido, tal como os Ramones e sua “Spider Man”.

         Para a geração Netflix, que deve ter acompanhado a série “Riverdale”, prestem atenção em “Sugar Sugar” com Mary Lou Lord e o grupo Semisonic (aqueles do hit “Closing Time”) e em “Josie and The Pussycats”, com Juliana Hatfield e Tanya Donnely . Nós, mais velhos, já sabemos de onde veio a inspiração para o recente seriado.

         Minha gravação preferida, mesmo anos depois, continua sendo o Tema dos Banana Splits – “The Tra La la Song” – tocado pela cantora Liz Phair, com o grupo (ilustre desconhecido para mim) Material Issue. A música é impagável e eu, quando criança, adorava ver os psicodélicos episódios do fictício grupo de rock, formado por quatro animais de pelúcia com caras de malucos que dirigiam carros, andavam de patins, moravam em uma casa toda colorida e, bem… não adianta tentar explicar. Quem quiser que corra atrás, quem se lembrou, pode se solidarizar. Psicodelia for Babies.

         Trata-se de um disco muito divertido e cujo valor de aquisição costuma não ser alto.  Um detalhe a mais: tanto o box dos Ramones, quanto esta coletânea, não estão no Spotify.

Cristian Fetter

Cristian Fetter Mold é gaúcho mas mora em Brasília desde 1991. É advogado e professor na área de Direito de Família e Sucessões. Coleciona música em mídia física, desde os 12 anos de idade, especialmente Rock dos anos 50 a 90 e, em menor escala, Jazz dos anos 40 aos 70. É um dos criadores do Podcast "Prisioneiros do Rock" e às vezes se mete a formar bandas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *