Discos

Subterranean Jungle, o ponto de virada dos Ramones.

Você tem algum arrependimento na vida? Eu tenho alguns e, um deles foi ter me desfeito de meu CD importado novinho do Subterranean Jungle dos Ramones. Eu não me lembro o porque me desfiz, nem pra quem foi, só sei que hoje é algo que eu jamais teria feito, sob nenhuma circunstância. Jamais!

Sorte a nossa que hoje temos o streaming e podemos, ao menos, recuperar parte daquele momento. Mas te confesso que me dói só de pensar e escrever isso. Bem, o disco completou 40 anos agora em 2023. Mas ele não foi tão bem recebido quando foi lançado. É preciso lembrar que 1983 era o auge da New Wave e já não tinham mais aquele apelo do começo de sua carreira. E a constante mudança do pop no início dos anos 80 ajudou a deixar o ambiente interno mais confuso ainda.

Eles tinham papel fundamental como pioneiros do punk mas, aquela altura do campeonato, eles corriam o risco de soarem mais anacrônicos, visto que o que regia o começo da época foram os sintetizadores de bandas como The Human League, Culture Club, Spandau Ballet e Depeche Mode. E ainda haveria o Thriller de Michael Jackson que estava prestes à explodir.

Foto: Mostly Vinyl Micky (divulgação).


E isso mexeu com os rapazes punks de Nova York que, naquele momento, queriam alçar vôos maiores. E qual seria essa ideia? Tocar nas rádios, claro. E, influenciados por “I Love Rock N’ Roll” da Joan Jett & The Blackhearts, eles começaram a pensar em algumas ideias. A primeira, foi trazer os produtores de “I Love Rock N’ Roll” para produzir seu próximo álbum. Os problemas já começaram por ai, já que a logística não os ajudava. Para ir até o estúdio eles demoravam algo em torno de uma hora, o que já era em si uma desvantagem, pois tornava o trabalho dos produtores cansativo.

Ainda havia problemas relacionados ao álcool com Marky Ramone, que foi demitido logo ao final das gravações de Subterranean Jungle, mas que retornou em 1989 para as gravações de Brain Drain e nunca mais sair da banda.

Embora o disco possa parecer datado (o som da bateria é exagerado), o disco contém boas músicas. Abre com um cover da banda de rock de garagem The Music Explosion de 1967, chamado Little Bit O’ Soul, além de Outsider, What’d Ya Do? e as clássicas Everytime I Eat Vegetables It Makes Me Think Of You e Psycho Therapy, que é a tão sonhada música radiofônica que a banda procurava. Com suas referências à esquizofrenia adolescente, roubos e drogas como Tuinal (uma mistura de dois tipos de sais de barbitúricos que, no começo, era um medicamento sedativo-hipnótico, tudo a ver não é?), Psycho Therapy despontou como uma das melhores músicas dos Ramones.

Lançado em fevereiro de 1983, Subterranean Jungle marcou oficialmente o fim do flerte da banda com o mainstream e, a partir daquele momento, eles podiam fazer o que bem entendessem. Com o passar do tempo o álbum ganhou título “cult” e ainda é um dos mais importantes pontos de virada na carreira daqueles quatro meninos de Nova York.

Um disco que merece mais atenção e melhorou com o tempo. Hey, ho, let’s go!

Foto da capa: KEXP – Divulgação

Luis Fernando Brod

Oi. Sou o cara do MINHA VIDA EM VINIL e colaborador do site Disconecta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *